Controlando seu estado de hidratação com o diagrama W.U.T.

Alta temperatura e baixa umidade. O uso da máscara durante as sessões de treino ao ar livre (aqui no Rio de Janeiro é obrigatório) aumenta a temperatura na região do rosto coberta – nariz e boca – que é altamente vascularizada. Esse aumento de temperatura localizado, pode provocar um aumento da sudorese, ocasionando uma perdaContinuar lendo “Controlando seu estado de hidratação com o diagrama W.U.T.”

Modelo biopsicossocial da fadiga

Tenho participado dos PRO Webinars elaborados pela treinadora Chlöe Lanthier. No último entitulado “A Ciência da Fadiga” foram abordados os conceitos sobre fadiga, suas causas e como podemos treiná-la. Nessa breve explicação, procurei realizar um resumo do conteúdo apresentado por Lanthier. Boa leitura. Costumamos confundir a fadiga com exaustão. Enquanto a exaustão seria a inabilidade de sustentarContinuar lendo “Modelo biopsicossocial da fadiga”

Bom humor

A fadiga mental é um estado psicobiológico causado por períodos prolongados de atividade cognitiva e é caracterizada por uma combinação de manifestações subjetivas, comportamentais e fisiológicas específicas. Van Cutsem e colaboradores (2017) publicaram uma revisão sistemática sobre o assunto visando desvendar se o cansaço mental prejudicaria o desempenho físico, procurando criar uma visão geral dosContinuar lendo “Bom humor”

Correr é para todos. Maratona não!

Segundo St. Pierre, em um corredor que tem um pace médio entre 3:45 e 2:30 min/km, a sua cadência pode variar entre 190 e 210 ppm. Já segundo Lieberman, dependendo de como o pé aterriza no solo a cada passo (antepé ou retropé), a força de reação do solo (FRS) pode variar entre 1,5 aContinuar lendo “Correr é para todos. Maratona não!”

Re.si.li.ên.ci.a

Substantivo feminino. Do latim resilientĭa, resilīre (saltar para trás, recusar vivamente). Capacidade de resistência de um material ao choque que é medida pela energia necessária para produzir fratura em um material com dimensões determinadas. Energia potencial acumulada por unidade de volume em uma substância elástica, quando deformada. Capacidade de defesa e recuperação perante fatores ou condições adversas. MinhaContinuar lendo “Re.si.li.ên.ci.a”

Percepção Subjetiva de Esforço

A Percepção Subjetiva de Esforço – PSE, tem como objetivo medir a intensidade do esforço realizado no exercício atribuindo valores quantitativos baseados no ritmo e na profundidade da Frequência Ventilatória – FV ou “Frequência Respiratória”, bem como na Capacidade de Verbalizar – CV durante o estímulo ou logo após o mesmo. Essa metodologia fornece umContinuar lendo “Percepção Subjetiva de Esforço”

Velocidade X Cadência

Para que sua performance na corrida evolua devemos levar em conta dois fatores primários: a melhora da sua condição física e o aprimoramento da sua técnica e da sua postura enquanto corre. Deixando de lado os métodos e estratégias para melhora da condição física, focaremos na técnica e na postura de corrida. Muito se falaContinuar lendo “Velocidade X Cadência”

Minha primeira prova de trailrunning

Escolhi debutar no trailrunning participando dos 50km do XC Itaipava categoria solo. Estudei muito sobre como é a elaboração de um programa de treinamento voltado para ultra distâncias e corridas de montanha, e, junto com a minha nutricionista, definimos um plano alimentar e a estratégia de hidratação e suplementação para o período preparatório e paraContinuar lendo “Minha primeira prova de trailrunning”

+7.805m

7.805m. Essa é a diferença entre a distância de uma maratona para a distância da primeira ultra que pretendo participar. A partir de hoje você terá a oportunidade de acompanhar minhas sessões de treino e tudo o que me aflige na preparação final para os 50km da XC Itaipava. DIA 01: Treino: 2X 5km progressivoContinuar lendo “+7.805m”